Refugiado que conseguiu dispensa da guerra na Ucrânia reconstrói vida em Guarapuava com a família: ‘Gratos a Deus’

Família de Iuri Martynchuk, e mais de 30 outros refugiados, estão no município há dois meses. Eles contam com o acolhimento de voluntários, que proporcionam moradia, alimentação, roupas e renda

12/05/2022 14H13

Há quase dois meses, Guarapuava, na região central do Paraná, acolhe e impulsiona a reconstrução da vida de 36 refugiados da guerra da Ucrânia. Entre eles está Iuri Martynchuk, que era empresário no país europeu e conseguiu dispensa da guerra por ter quatro filhos pequenos.

"Somos gratos primeiramente a Deus, mas estendemos essas bênçãos para todas as pessoas da igreja [voluntárias] e a todas em geral, que se envolveram com a vida dos refugiados e que tem nos atendido da melhor forma possível".

As primeiras famílias chegaram ao estado em 20 de março, com visto humanitário. Desde então recebem apoio, principalmente, de voluntários de uma rede mundial de igrejas.

Entre as crianças, o acolhimento também acontece na escola, onde elas aprendem um pouco de português.

O diretor do colégio, Cristiano Rank, detalha como a comunicação ocorre com o apoio da tecnologia.

“Nós estamos ali utilizando na prática a pedagogia do amor. Nesse primeiro momento, a comunicação está sendo feita através de aplicativos. Alguns professores nossos falam inglês. Mas as crianças entendem muito bem. Estão sendo muito bem acolhidas”.

Com os adultos, a tecnologia também tem auxiliado na comunicação e facilitado o aprendizado do novo idioma. Uma professora voluntária, que vai semanalmente ao município, oferece aulas gratuitas de português aos refugiados.

“Nessa convivência, na cidade, e passeando pelas ruas, temos aprimorado a língua portuguesa. As crianças falam muito pouco inglês, mas se comunicam de forma bem avançada em português, apesar do pouco tempo aqui”, explicou a empresária ucraniana Olga Martynchuk, esposa de Iuri.